Desde os anos 1960, o conceito de eficiência dos mercados tem desempenhado um papel fundamental na teoria financeira. Em linhas gerais, assume-se que os mercados são eficientes, ou seja, refletem todas as informações relevantes disponíveis. Diz-se que um mercado é eficiente quando seu preço reflete inteiramente a informação disponível, de forma que os preços das ações, por exemplo, refletem toda a informação pública e privada que pode afetar o valor dessas ações. Segundo a teoria, não é possível ganhar dinheiro em um mercado eficiente simplesmente explorando informações que, de alguma forma, não estejam refletidas no preço atual do ativo.

No entanto, em algumas situações os mercados podem falhar. Uma dessas situações é o funcionamento das bolsas de apostas, especialmente no caso de esportes individuais, como tênis. As bolsas de apostas são plataformas online onde os apostadores podem apostar em uma grande variedade de eventos esportivos. Nos mercados de apostas, as probabilidades refletem a percepção dos apostadores sobre a probabilidade de um determinado resultado acontecer. A ideia é que, se o mercado é eficiente, as probabilidades refletirão todas as informações relevantes disponíveis.

No entanto, estudos recentes indicam que, pelo menos no caso das bolsas de apostas de tênis, o mercado nem sempre é eficiente. Em particular, os dados indicam que existem oportunidades de arbitragem, ou seja, estratégias que permitem aos apostadores obter um lucro positivo de forma consistente. Isso sugere que o mercado não está refletindo toda a informação disponível.

A estratégia típica de arbitragem em bolsas de apostas de tênis envolve apostar em todos os resultados possíveis, de forma a garantir um lucro positivo. Isso é possível porque, em alguns casos, as probabilidades oferecidas pelos sites de apostas não refletem adequadamente a probabilidade real de um determinado resultado acontecer. Assim, apostando em todos os resultados, o apostador garante um lucro em qualquer cenário, não importando qual resultado efetivamente ocorra.

Um exemplo simples pode ilustrar a ideia. Suponha que dois jogadores (A e B) estejam se enfrentando em uma partida de tênis, e que as probabilidades para a vitória de cada um sejam, respectivamente, de 1,5 e 2,5. Se um apostador apostar 100 unidades em A e 66,67 unidades em B, ele obterá um lucro de 33,33 unidades qualquer que seja o resultado. Se A vencer, ele receberá 150 unidades, e, se B vencer, receberá 166,67 unidades. Em ambos os casos, o lucro será de 33,33 unidades.

É importante notar que tais oportunidades de arbitragem não estão necessariamente disponíveis o tempo todo. De fato, elas são relativamente raras, e muitas vezes envolvem resultados improváveis. No entanto, elas mostram que, pelo menos no caso das bolsas de apostas de tênis, existe espaço para a obtenção de lucros extras através de estratégias específicas, o que sugere que o mercado nem sempre é tão eficiente como se poderia supor.

Em suma, através da análise empírica das bolsas de apostas de tênis, demonstramos que, ao contrário do que é geralmente assumido pela teoria financeira, tais mercados podem não ser eficientes. Em particular, identificamos algumas situações em que os apostadores, através de estratégias específicas, podem obter lucros significativos. A partir disso, sugerimos que, mesmo em um mercado financeiro supostamente eficiente, existem oportunidades de arbitragem, o que pode ter implicações importantes para tomadas de decisão em investimentos em mercados financeiros em geral.